Carga tributária

Simplificação da carga tributária: Será que agora sai?

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Nenhum país desenvolvido ou emergente do mundo tem um sistema tributário tão complexo e socialmente injusto como o brasileiro.

Para se ter ideia do emaranhado dessa engrenagem de arrecadação, em pouco mais de três décadas, a legislação tributária nacional sofreu 390 mil alterações, isso mesmo, 390 mil alterações que resultaram em uma dezena de impostos. E o pior: desencadeou um descontrole da carga tributária, que chegou ao recorde de 34% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 uma das maiores do mundo. Em países como Coreia do Sul (26,3%), Estados Unidos (26%) e Chile (20,4%), os tributos têm menos peso.

Carga tributaria: Quem morde mais é o estado mas a dor de barriga é do empresário

Tamanha voracidade na tributação se intensificou em paralelo à escalada desenfreada dos gastos públicos nas esferas federal, estadual e municipal. As despesas da União, incluindo gastos correntes (despesas com pessoal e encargos sociais, juros e encargos da dívida pública, seguridade social e manutenção do serviço público), despesas de capital (investimentos, inversões financeiras e amortização da dívida) e refinanciamentos das dívidas mobiliária e contratual, passaram dos R$ 241,2 bilhões em 1995 (primeiro ano de vigência do real) para R$ 2,66 trilhões em 2018, de acordo com o Tesouro Nacional.

Como comenta o economista ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Paulo Rabello de Castro, sobre a situação fiscal, “O Brasil governamental não cabe no PIB”,. De 1995 a 2018, só os gastos correntes cresceram 1.300%, passando de R$ 132,9 bilhões para R$ 1,76 trilhão. Segundo o economista e diretor do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), Bernard Appy, os principais impostos federais estão “amarrados”. Ele analisa que, por estar com o orçamento muito comprometido com despesas obrigatórias, o governo não tem a opção de reduzir impostos imediatamente.

Existe uma solução?

Mesmo com essa limitação, Rabello acredita que o governo deveria propor mudanças na Constituição Federal a fim de possibilitar cortes mais profundos nos gastos. “Como fizeram Angela Merkel e Barack Obama em situações excepcionais – como a recessão de 2009 –, durante a qual tiveram que atacar todas as rubricas. No caso do Congresso americano, o corte partia dos 10% de todo o orçamento, mas havia a possibilidade de escolher em quais áreas poderiam cortar. Aqui se vendeu a ideia de que o desequilíbrio está na Previdência, e o resto não tem importância. Como não importa?, critica Rabello. A Carga Tributária é encarada de forma diferente por outros países.

Esse cenário de descontrole não apenas exige mais dias trabalhados para pagar impostos (atualmente, um trabalhador dedica cinco meses e dois dias do ano a isso), diminuindo a disponibilidade financeira para o consumo, como ceifa a capacidade produtiva das empresas, que gastam mais para manter pessoal voltado a lidar com os fiscos. Além de dificultar o aporte de investimentos em inovação e tecnologia que poderiam tornar os negócios mais eficientes. Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), as empresas gastam R$ 65 bilhões por ano para acompanhar as mudanças da legislação tributária brasileira.

Simplificação e boa saída

Duas propostas de Reforma Tributária estão em tramitação na Câmara dos Deputados e no Senado que precisam ser aprovadas afim de destravar o sistema tributário brasileiro.

O Brasil pode, o Brasil deve, o Brasil precisa avançar e retomar em definitivo o crescimento econômico.

Enfim, o prato indigesto precisa ser seguido de uma sobremesa que adoce a classe empresarial e a força de trabalho.

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Brasil Valuation

Somos especialistas em estruturação de empresas e negócios e nosso foco é diminuir riscos e aumentar a assertividade das tomadas de ações de empreendedores e empresas.

Solicite uma reunião gratuita

Você também pode gostar de:

CADASTRE-SE EM NOSSA LISTA!

Receba conteúdo de alto valor em primeira mão no seu email